Fotos 17-06-2021 (118).JPG

I&D - EXCELÊNCIA ACADÉMICA

Olhando para o panorama internacional, É absolutamente claro que as universidades com maior prestígio são as que lideram a investigação com maior impacto na sociedade. São elas que atraem os melhores estudantes. São elas que conseguem ter e reter Prémios Nobel. São elas que estabelecem mais parcerias com empresas relevantes. São elas quem têm mais financiamento. São elas que ditam as regras e originam as tendências.

Quando se assume que a opção estratégica pretendida para a Universidade de S. Tomé e Príncipe é a de que ela seja reconhecida como sendo uma universidade de investigação, temos de ser consequentes com essa escolha. Não podemos pretender ser reconhecidos como sendo uma universidade de investigação e depois não investirmos para a concretização dessa ambição. Significa isso que temos de investir no sentido de serem criadas as condições para podermos ambicionar ter uma produção de conhecimento de qualidade, internacionalmente reconhecida e com elevado impacto para a sociedade.

A Universidade de S. Tomé e Príncipe tem recursos limitados, pelo que o investimento tem de ser criterioso e diversificado. A procura de financiamento competitivo deverá ser estimulada e tudo farei para que tal aconteça. Isso implica que o corpo técnico seja reforçado e que se avance no sentido de haver um apoio mais efectivo à instituição. Temos também de avançar muito no campo das candidaturas institucionais onde a força da USTP e a interdisciplinaridade possam melhorar a qualidade das nossas propostas. A diversificação das fontes de financiamento terá de ser outra das preocupações. Os desafios societais não são mais do que problemas para os quais a sociedade exige a procura de soluções. Para o sistema científico e tecnológico esta exigência deve ser encarada como uma enorme oportunidade. Por um lado, permite a universidade devolver em conhecimento o dinheiro nela investida. Por outro, abre perspectivas fantásticas no relacionamento com a sociedade civil.

Os desafios societais exigem uma abordagem multidisciplinar, mas se queremos verdadeiramente contribuir para a sua resolução então teremos de passar para o patamar da interdisciplinaridade. Por esse motivo, é necessário ter a capacidade de agregar áreas disciplinares e promover a interdisciplinaridade para que a produção de conhecimento seja mais criativa, consistente e disruptiva, sendo dessa forma capaz de responder aos desafios societais (temáticos). Por isso, o cruzamento fértil de distintas áreas do saber deve ser um dos principais vectores estratégicos de uma universidade que queira ser de investigação de espectro alargado.

As Áreas Estratégicas devem ser monitorizadas anualmente (plano estratégico), devendo ser encaradas como estruturas essencialmente virtuais (correspondem efectivamente a um nível superior de organização) e adaptativas (o seu sucesso está directamente correlacionado com a sua flexibilidade). Temos de estar conscientes de que as áreas estratégicas terão os seus ciclos de vida mais ou menos longos, pelo que não devem ser consideradas imutáveis sob pena de cristalizarem e se tornarem inoperantes, obsoletas e não competitivas. Por isso o aparecimento e o desaparecimento de Áreas Estratégicas devem ser encarados com naturalidade e acompanharão a dinâmica dos tempos (monitorização e análise de risco).

Criar níveis de organização mais eficientes, como proposto acima, é muito relevante, mas seria necessariamente curto. Temos de reforçar as nossas equipas que apoiam a preparação, submissão e execução de projectos. A simplificação dos procedimentos de gestão dos projectos de investigação e uma política de proximidade são aspectos absolutamente necessários.

A presença da USTP em redes internacionais deverá ser reforçada. Questões como a afiliação, protecção dos resultados da investigação, apoio ao empreendedorismo devem fazer parte da agenda da Investigação & Inovação da USTP.
Devemos também ter muito clara a noção de que existem parceiros privilegiados no âmbito da Inovação com quem devemos fazer pontes e criar uma estreita articulação.

Brevemente atualizaremos informação