A História da Universidade

A Universidade de São Tomé e Príncipe (USTP) é uma instituição pública de ensino superior que surge da necessidade de criar uma estrutura capaz de aproximar as diferentes instituições e polos de formação de forma a conferir uniformidade funcional e institucional ao ensino superior em São Tomé e Príncipe.

A USTP foi criada através do Decreto-Lei n.º 9/2014 por decisão do Governo de São Tomé e Príncipe e constitui uma emanação da Lei Básica do Sistema Educativo que institucionaliza o Ensino Superior Politécnico e Universitário na estrutura do Ensino Nacional - Sistema.

Este processo resulta, portanto, da vontade de reunir, na mesma instituição, várias áreas do conhecimento, criando assim melhores condições para acompanhar a evolução contemporânea da ciência, tecnologia, artes e humanidades.

Suas atividades de ensino, pesquisa e extensão são de âmbito nacional; goza de autonomia científica, pedagógica e administrativa.

O objetivo da USTP é o ensino superior, pesquisa e extensão que permita formar cidadãos com capacidade de ação empreendedora e reflexão independente, necessária ao desenvolvimento sustentável do país. Para atingir esse objetivo, a USTP conta atualmente com três unidades orgânicas de ensino (Faculdades) e uma unidade orgânica de pesquisa e extensão (Centro).

 

Unidades de ensino orgânicas - Faculdades

1. Instituto Superior de Educação e Comunicação (ISEC); localizado na cidade de São Tomé. Atualmente, estão disponíveis os seguintes cursos: ciências da comunicação, ciências da educação, marketing e publicidade e educação física (cursos de graduação)

2. Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT) localizada na Cidade de São Tomé. Atualmente, o corpo docente ministra os seguintes cursos: agronomia, biologia, economia, contabilidade e finanças, direito, informática, gestão, mestrado em Direito Público e Desenvolvimento Sustentável (cursos de graduação) e mestrado em Direito Público e Desenvolvimento Sustentável; Mestre em Agroecologia e Desenvolvimento Rural.

3. Instituto Superior de Ciências da Saúde Victor Sá Machado (ISCSSM); localizado na Cidade de São Tomé. É responsável pelos seguintes cursos de graduação: enfermagem, gestão administrativa de serviços de saúde, epidemiologia e psicologia clínica.

Centro

Centro de Estudos de Desenvolvimento (CED); localizado na cidade de São Tomé. Que está em processo de instalação e incorporação a outros centros de pesquisa de universidades parceiras da USTP, conforme legislação.

A ideia de Universidade

 

A Universidade de S. Tomé e Príncipe resulta, sobretudo, da transformação do Instituto Superior Politécnico de S. Tomé e Príncipe – até então concentrado especialmente em formações vocacionais e em formações técnicas avançadas, orientadas profissionalmente – propondo, a partir de agora, enquanto instituição de ensino universitário, orientar-se também para a oferta de formações científicas sólidas, juntando esforços e competências de unidades de ensino e investigação.

Neste contexto como Instituição que, baseando-se na sua história e no seu presente, se projeta como:

 

. universidade completa, isto é, como uma universidade que institui como âmbito de ação um amplo leque de áreas científicas e de formação, abarcando as ciências sociais e humanas, as ciências da vida, da terra, do mar, as ciências da saúde, as ciências exatas, as engenharias e as tecnologias;

. universidade de investigação, isto é, como uma universidade que considera a produção de conhecimento científico essencial para o desenvolvimento da sua missão, não só porque essa é a vocação irrecusável da instituição universitária, mas também porque é no conhecimento novo que deve ser ancorado o ensino e a interação com a sociedade;

. universidade da educação integral, ou seja, como uma universidade que se assume como espaço de educação de todos os seus membros e que tem da ação educativa, designadamente a que se orienta para os seus estudantes, uma visão não unidimensional, antes sensível à formação do sujeito humano nas dimensões cognitiva, moral, ética, relacional e física;

. universidade em interação com a sociedade, ou seja, como uma universidade que, não colocando em causa aquilo que representa a sua identidade institucional não recusa a abertura às suas múltiplas envolventes, mantendo um diálogo aberto com os atores económicos, culturais e sociais, valorizando, no horizonte da sua ação, a necessidade de resposta aos desafios que aqueles lhe colocam;

. universidade internacionalizada, isto é, como uma universidade que, não recusando a sua inscrição num contexto nacional específico, assuma que é inerente ao cumprimento da sua missão o desenvolvimento da sua ação num contexto internacional, promovendo a estreita articulação dos seus projetos com os de instituições de referência;

. universidade participada e descentralizada, ou seja, como uma universidade que promove, no quadro estatutário, a intervenção de todos os seus membros e corpos, no debate e escolha das opções que melhor se adequem à prossecução da sua missão;

. universidade eficiente e eficaz, isto é, como uma universidade que orienta a gestão dos seus recursos humanos, materiais e financeiros segundo princípios que permitam maximizar os contributos deles derivados para a realização da sua missão e dos objetivos;

. universidade inclusiva, ou seja, como uma universidade que, reconhecendo a diversidade daqueles que a compõem, prevê explicitamente a rejeição de práticas discriminatórias e promove políticas ativas de integração das pessoas, independentemente da sua raça, género, língua, cultura ou condição económica e social;

. universidade sustentável, isto é, como uma universidade que procura uma utilização equilibrada dos recursos que estão colocados ao seu dispor e que assume o desenvolvimento de tais práticas como componente da sua ação educativa.